O governador Helder Barbalho assinou, na manhã desta

segunda-feira (17), no Palácio do Governo, o decreto que institui a Força

Estadual de Combate ao Desmatamento no Estado do Pará, sob a coordenação da

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). A criação da

Força Estadual faz parte da macroestratégia “Amazônia Agora”, para desenvolver

iniciativas que reduzem as taxas de desmatamento ilegal no Pará.

Além da Semas, são integrantes da Força Estadual de Combate ao

Desmatamento o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do

Estado do Pará (Ideflor-Bio), Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar

e Polícia Civil. Todos trabalharão para atuar no planejamento e monitoramento

das ações governamentais emergenciais para o enfrentamento do desmatamento.

Segundo Helder Barbalho, mais de R$ 90 milhões serão investidos

em recursos para serem utilizados na Força Estadual, dinheiro oriundo da

operação Lava Jato, em que por decisão do ministro do STF, Alexandre de Moraes,

poderão ser usados para o combate ao desmatamento no Pará.

“Nós estamos ampliando em 1.000% o número de membros do governo

que estarão focados em combater o desmatamento ilegal e isto reforça a

estratégia do estado do Pará de não aceitar a ilegalidade”, enfatizou o governador.

Visando a ampla discussão desta política pública, o setor

produtivo, como a Federação das Indústrias do Pará (Fiepa) e ONGs também

acompanharam a cerimônia de assinatura do decreto.

“Vamos fazer com o que o Estado possa virar a chave desse cenário.

Esse ato não representa apenas fiscalização, repressão, comando e controle.

Representa outros pilares que buscam oferecer ao setor produtivo, por exemplo,

produção com responsabilidade”, destacou o secretário de Estado de Meio

Ambiente e Sustentabilidade, Mauro O' de Almeida, explicando as estratégias da

Força Estadual.

O procurador do Ministério

Público Federal, Alan Mansur, falou sobre a importância da construção da Força

Estadual como ferramenta inteligente para diminuir os índices de desmatamento na

Amazônia. “Acredito que é um momento importante, que reforça a mensagem de que

ilegalidade não deve ser tolerada no combate ao desmatamento. Este ato

demonstra que o governo do Estado encaminha essa mensagem positiva, de que o

desmatamento deve ser combatido e o setor produtivo legal deve ser apoiado”,

ressaltou.

Foto: Agência Pará

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS