Certamente você já ouviu aquela frase “nós somos aquilo que

comemos”, e isso de fato é verdade, pois cada vez mais, estudos e análises da

ciência nutricional comprovam a eficácia de seguirmos uma alimentação saudável,

equilibrada e de acordo com as nossas necessidades.

Não há como negar que a alimentação faz parte dos hábitos

culturais de cada pessoa. Nós carregamos, desde o nascimento, as raízes e

tradições gastronômicas e, por isso, crenças de senso comum, folclores e

histórias, que cercam ingredientes e receitas, ainda são levadas muito em

consideração, mesmo com as explicações científicas desmistificando essas

lendas.

Por isso, historicamente, os assuntos que envolvem a nossa

alimentação sempre vêm à tona, trazendo muitas dúvidas e, claro, curiosidades.

Uma dessas curiosidades diz respeito a cor do prato que pode influenciar em nossas

escolhas alimentares.

Muito mais do que uma bela apresentação, a cor do prato pode

interferir naquilo que comemos. Pesquisadores da Universidade de Oxford, nos

EUA, chegaram à conclusão que pratos coloridos fazem as pessoas comerem menos e

se sintam mais desconfortáveis durante a refeição. Enquanto isso, os pratos

brancos e monocromáticos fazem comer mais e com uma melhor sensação de prazer e

saciedade.

Isso se deve porque os pratos coloridos, como vermelho, por

exemplo, ligam instintivamente um "alerta de perigo" em nosso

cérebro, enquanto os pratos brancos são mais acessíveis às combinações de

ingredientes.

Alimentos que

combinam: Você conhece a sinergia alimentar?

Muitos alimentos combinam, contudo, poucos realmente se

completam. Essa é a função da sinergia alimentar. Ao juntar dois ou mais

ingredientes, potencializar, não só os sabores do prato, mas como seus valores

nutricionais.

Misturar doces com salgados, quem nunca tentou? A

harmonização de sabores culinários é uma ação essencial para formar os nossos

hábitos alimentares. Contudo, a combinação de ingredientes precisa de muito

mais para suprir as nossas necessidades. Quando falamos em comida, a união dos

alimentos deve ser bem elaborada e amplamente experimentada, por isso, cada vez

mais, a ciência gastronômica estuda receitas que se completam, não só no

paladar, mas como na potencialização dos nutrientes para a melhor absorção em

nosso organismo. Essa é a chamada "sinergia alimentar".

A sinergia alimentar acontece quando combinamos dois

alimentos ou mais, ingeridos juntos, seus compostos são absorvidos ao mesmo

tempo e circulam simultaneamente em nível celular. Arroz com feijão, ou queijo

e goiabada, por exemplo, são tradicionais alimentos que, juntos, agregam os

mais diversos valores em um prato.

Exemplos de

combinações alimentares e seus benefícios

Arroz com feijão: Combinação perfeita de carboidratos e

proteínas, fornece um aminoácido (Triptofano) que aumenta a produção do

hormônio do bem-estar (serotonina);

Laranja e feijoada: Comer aquela laranja não somente após

uma feijoada, mas junto com feijões simples, potencializa a absorção de ferro e

melhora a digestão.

Queijo com goiabada: Nada melhor que equilibrar o índice

glicêmico de um doce incluindo proteínas. Isso evita a hipoglicemia.

Frutas ou iogurte + cereais integrais: Acrescentar fibras ao

alimentos, melhora o processo digestivo.

Abacaxi e carne: Acrescentar rodelas de abacaxi depois de um

churrasco, na carne assada, com canela ou não, oferece uma enzima muito

importante na digestão de carnes, a bromelina. Isso reduz aquela sensação de

estômago pesado.

Tomate + Abacate: Se você não costuma frequentar

restaurantes mexicanos, ou não conhece a culinária deste país, pode achar

estranha a combinação, mas acredite, esta união merece ser experimentada. O

"guacamole" é uma iguaria típica mexicana, mas também muito

encontrado nos EUA. É um acompanhamento para saladas, sanduíches, comidas e

aperitivos. Muito saboroso, sua composição tem o poder de prevenir o

envelhecimento

Foto:

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS