Dos três times que disputam a vaga restante dentro do Grupo D neste sábado, apenas o Paysandu depende apenas das próprias forças. Basta vencer que desclassifica o Ypiranga-RS e fica inalcançável pelo Londrina-PR, que enfrenta o Clube do Remo em Belém, também às 17h. Mas, se empatar, torce para que a equipe azulina não perca para o LEC. Por isso, um olho bicolor estará em Erechim (RS) e outro também na capital paraense.

Ainda assim, os jogadores do Paysandu garantem que não pensam no jogo do maior rival. Que não existe a necessidade de torcer para que o Remo dê uma forcinha se o papel do Papão não for feito no interior gaúcho. Ou seja, a saída é vencer para não ter que ficar de olho no jogo do maior rival e ter que torcer para ele.

“Não adianta de nada eu torcer para o maior rival se a gente não fizer o nosso objetivo. Nada vai adiantar se eles ganharem ou empatarem, se a gente não fizer o nosso. Temos que torcer para nós mesmos. Erguer a cabeça e ter o nosso objetivo maior que é a vitória. Não podemos pensar em outro resultado”, afirma Tony.

O zagueiro Micael garante que o pensamento é apenas esse, que a missão do Paysandu tem que ser feita nos 90 minutos sem pensar no que se passa no Mangueirão. “Nós ainda dependemos só da gente, então o foco é em nosso time. Independentemente do que for acontecer aqui em Belém, temos que ter atitude e foco em nosso compromisso”.

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS